2015-04-12

Por ti e/ou por mim

Nem sempre é fácil perceber a causa de um sentimento. Algumas vezes desejamos a uma pessoa especial, algo mais motivado por nós, do que por pensamentos e desejos puros sobre essa pessoa. E nem sempre é fácil descortinar onde começa o nosso desejo egoísta e onde acabam os votos sinceros do melhor para ela. Dir-se-ia que não é fácil ter uma opinião desinteressada da situação. Esquecermo-nos de nós próprios e pensar exclusivamente no melhor para o(s) outro(s). Somos parte interessada. E desse interesse não nos desprendemos. Quando alguém nos diz que será de uma maneira e não da que desejamos, muitas vezes, dependendo do tamanho do desejo, acabamos por arranjar interpretações divergentes. Mesmo quando a situação é posta de forma clara e sem ambiguidades, procuramos discursos escondidos que satisfaçam o nosso desejo. Queremos tornear a realidade de maneira a encaixá-la no projecto que a nossa mente projectou, contra a própria realidade. E, por mais forte que o desejo possa ser, nada supera a realidade. Podemos e devemos tentar moldá-la. Mas nada podemos fazer se o desejo do outro entrar em rota de colisão com o nosso. Nada, talvez seja um exagero. Afinal somos livres de projectar a nossa participação, mesmo acabando por não ser convidados para a execução...

2 comentários:

► JOTA ENE ◄ disse...

Olá ... agradeço o teu pedido para acessar ao blog privado, mas (ainda bem) ficou sem efeito.

A resposta a todos vós, encontra-se num post, desde ontem, no 'Incongruências'.

Abraço !!!

Sod o Pérfido disse...

Ainda bem!